sexta-feira, 18 de abril de 2008

O caminho já foi escrito: Ordem e Progresso

Nos primórdios da civilização, a ética solidificou costumes e crenças. Capaz de uniformizar povos, ela só é valorosa quando não é imposta. As pessoas precisam desejá-la e vivenciá-la, de forma simples e natural, assim se fará jus ao sentido da palavra.
A ética é o estudo que busca justificar as regras propostas pela Moral e pelo Direito. A Moral baseia-se em regras que são assumidas pelas pessoas. Independente de área geográfica, e leva a uma identidade referencial comum entre as pessoas, mesmo que não se conheçam. Já o Direito, estipula um regramento a ser seguido, em uma determinada área. Limita-se dentro de um espaço ou Estado.
Não existem leis ou códigos que caibam a todas as culturas. Por isso, o indivíduo segue normas de acordo com sua geração. Cada povo vive e comporta-se conforme a educação de seus ancestrais.
A Moral e o Direito caminham juntos, mas pode haver discórdia entre um e outro. É onde entra a ética, para analisar as perspectivas e argumentos morais da civilização.
Quem foge à regra, age sem ética. O ciclo natural se rompe. Há uma pausa, uma quebra de códigos normativos. Conforme o grau de importância do ato desregrado, prejudica boa parte, ou eternamente o progresso esperado.
Toda escolha possui uma intencionalidade moldada por valores. Os valores, percebidos conscientemente ou não, são agregados de nossa criação, que a sociedade moldou e irá nos guiar.
Nietzsche, dizia que o valor é uma concepção de mundo e vida. Atitudes, que expressam as preferências e pretensões. Não acreditava em moral, ordem e racionalidade. Para Nietzsche, a vida atua sem objetivo definido, e a sociedade cria máscaras ao se relacionar através de normas. Ele defende a liberdade humana, a vivência do instante.
Mesmo com leis e moral, nosso país enfrenta grande dificuldade em manter a ordem e justiça. Como seria se seguíssemos a risca a filosofia de Nietzsche?
Em parte, essa filosofia traz conceitos aplicáveis ao mundo. Liberdade de expressão, liberdade de escolhas. Mas, podemos como exemplo, lembrar dos atos praticados por presidiários em suas saídas temporárias da prisão. Livres, muitos não conseguem ficar longe do crime. Não podemos deixar de puni-los. Deve-se impor uma lei. Prefiro acreditar nas idéias de Kant: "O céu estrelado por sobre mim e a lei moral dentro de mim".
Ordem aqui, não significa arrumação, mas sim organização de elementos que ajudem no bem estar e convivência humana. Acredito sim, que para se chegar a um resultado, devemos trabalhar, vasculhar, lutar, bagunçar. Mas sem deixarmos o respeito de lado. Sem deixar cair em desordem a harmonia na comunicação e relação com os demais.
Seguimentos de projetos, leis, vidas, de um mundo justo, só serão possíveis onde ética não for impossível. É o principio e o meio, para se chegar ao progresso.

Um comentário:

Ademar Krieck disse...

Nossa Dai você está se superando. Este texto esta ótimo, você escreve sobre algo de difícil compreensão para a maioria das pessoas com extrema clareza e usando ótimas referências como Kant e Nietzsche. Achei muito inteligente a analogia do título com o assunto abordado. Concordo e acredito no que você diz no início do texto, a ética não deve ser imposto e sim surgir naturalmente nas pessoas. Particularmente eu desejaria viver em uma sociedade onde não existisse a figura do Estado controlador e nem leis para regulamentar o comportamento das pessoas. Mas isso é utopia, acho que as pessoas não conseguem viver com liberdade plena, seria um caos, talvez por isso anarquia tenha virado sinônimo de bagunça e desordem ao invés de liberdade.

Beijos